Domingo, 29 de Março de 2020

Sangue

Corto-me...,

deixo vazar,

deixo sair,

deixo acabar.

Aquele male,

aquele veneno,

aquela morte.

Quebra-me e refaz-me,

parte-me e cola-me,

corta-me e costura-me,

mata-me e ressuscita-me.

Troco tudo,

troco e dou,

dou sem nada.

porque nada tenho,

e tudo acabou.

Amarra-me,

fere-me,

solta-me,

e cessa-me.

Para um fim do inicio.

Já não respiro,

não como,

não durmo,

sou assim,

um querubim,

de voares.

Fico,

mas não estou,

falo,

mas não digo,

faço,

mas não sei,

sou,

mas não vou.

Salva-me.

E leva-me contigo,

onde fores,

eu irei,

onde estiveres,

eu serei.

publicado por flipe às 21:52
link | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 48 seguidores

.Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sangue

. Vem, por favor!

. Entre linhas

. Oiço vozes do além

. Pinga lá fora e cá dentro

. Demónios

. Sozinho

. Entre o tudo e o nada

. Ponto ante ponto...

. Assim