Domingo, 22 de Julho de 2018

Morrer

Hoje escrevo…

Só uma palavra que me apraz dizer,

morrer.

Uma morte viva,

de um presente cada vez mais quebrado,

destroçado.

Somente eu, trago a culpa deste estar,

cortes e cicatrizes,

de um não amar.

Jogo-me em mim, em correntes de imaginares,

e nenhum dele é razão,

de não estares.

Vazo-me, despojado,

um fundo negro,

desolado.

Encontrar, e não tomar,

descrever, e não ter,

um ser que não tem de ser,

morrer.

Veias que secaram, num ser que gela,

e interpela,

o ver.

Ablepsia de quem não quer,

via, inferior saber querer,

de quem sabia, atendia,

e agora,

vivia – morria.

publicado por flipe às 16:08
link | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 48 seguidores

.Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Tinta

. Sete

. Palavras fechadas

. Sangue

. Dúvidas

. Vem, por favor!

. Entre linhas

. ps: para ti que não conhe...

. Oiço vozes do além

. Pinga lá fora e cá dentro