Quarta-feira, 25 de Julho de 2018

Lágrimas

Pesa-me a alma,

o sangue, corta-me as veias,

sinto-o perder-se  em mim,

e eu,

abismo sem fim.

Tudo existia numa razão,

sem isto,

escuridão.

Pintava, e conjuntamente ali ficava,

uma peça de pintura,

congeminando ternura.

Segurando uma sinuosidade,

onde vendo, verdade,

e logo  felicidade.

Cerca incidia,

e eu via, e eu seria.

Quão imagem,  

ilusão!

Sangue, dor, solidão.

Lágrimas de dor,

queimam de amor,

Lágrimas de desalento,

queimam por dentro.

Sou nada, um caneta sem tinta, parada,

uma estrada enevoada,

abandonada.

publicado por flipe às 23:11
link | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 48 seguidores

.Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Tinta

. Sete

. Palavras fechadas

. Sangue

. Dúvidas

. Vem, por favor!

. Entre linhas

. ps: para ti que não conhe...

. Oiço vozes do além

. Pinga lá fora e cá dentro