Sábado, 23 de Maio de 2020

Canto

Já não sei dizer,

nem parecer,

apenas perdi-me num canto,

e nele fiquei,

em pranto.

Longe eram os minutos,

em que a rítmica feria,

e o sonho nascia.

Mesmo que depois morresse,

era no momento,

um vivesse.

Fere-me o desconhecido,

o surdo e o ouvido,

e mais que o partir,

fere-me sentir.

São história, bonecas quebradas,

perdidas,

não amadas.

São lugares que não saram,

águas que queimam,

e que secaram.

Um infindo de um recanto desencanto,

onde escorrei,

e afundei.

E mesmo que ferramentas tomasse,

e nelas me escapasse,

no peitoril nada estaria,

e a subida findaria.

Como um afeto num vazio,

ou cores na escuridão,

sem a luz que serias,

nada faria alusão.

publicado por flipe às 23:43
link | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 50 seguidores

.Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Aquela que sussurra

. Morri, e não sei…

. Era assim...

. Canto

. Viagem perdida

. Sentir

. Umbigos

. Até ao fim

. Este livro

. Partida

. Negação

. Nevoeiro

. Silêncio de alma

. Diz-me

. Estranho

. Tinta

. Sete

. Palavras fechadas

. Sangue

. Dúvidas

. Vem, por favor!

. Entre linhas

. ps: para ti que não conhe...

. Oiço vozes do além

. Pinga lá fora e cá dentro