Domingo, 14 de Junho de 2009

É quando o dia termina...

È quando o dia termina,

e o ritmo, enfraquece,

que tu ecoas, e baixinho clamas,

solidão.

È quando o olhar cansado,

descansa sobre o além,

e a angústia, agoniza,

não havendo o alguém.

De muito dar,

sou em norma, um traço que entortam,

uma linha que riscam,

apenas e somente,

um amor pouco amado,

um interior desusado.

Pensei saber quem eras,

sei que sabes quem sou,

me tomaste a mão,

aí me levaste, e contigo,

o meu coração.

O dia há pouco despontou,

e acordado, adormeço,

pois onde quero ir,

não estás.

Que fui eu em ti, uma desilusão,

um amor incompreendido,

um alguém perdido…

Não sabendo, sei,

que quis amar, que fiz do meu estar,

um único viver,

o teu acordar.

Deixei livros, histórias e personagens,

o único conto, era o nosso,

em que de um dia,

haveria um sempre,

um feliz esvoaçar,

num eterno voar,

num eterno amar.

Flipe

publicado por flipe às 14:24
link do post | favorito
De Branca a 24 de Junho de 2009 às 18:52
Voltei, estava com saudades de vir aqui ler suas palavras....Me fazem bem

e esse poema.......Hummmmmmmm
Perfeito..........
O amor em nós é eterno, as lembranças sao eternas....
Quem nao vive para amar.
Nao ama pra viver..
Nao sabe o que está perdendo, pq o amor é eterno enquanto dura....

Beijocas
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 44 seguidores

relojes web gratis

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Entrelaço e desfaço

. Esqueço

. Desespero

. Para ti... que não conhec...

. Quebro...

. Quem sou… ?

. Escrevo...

. Talvez...

. Dói.

. Simplesmente não consigo

Hug
Photobucket