Sexta-feira, 22 de Outubro de 2021

Para ti (Desconhecida)

Que lar é este,

que desconheço tanto,

e em cada esquina,

um pranto.

Sensação de não estar,

de não pertencer,

a nenhum lugar.

Somente aquela espera,

no sonho de encontrar,

fazia-me querer ficar.

E sonhar…

Se não vens, deixa-me partir,

voar e fugir.

Deixa-me á carne renegar,

e num sopro de um além,

levitar.

Ou grita, vem em silêncio,

e abraça-me…

Por ti, ficarei, e tudo de mim te darei…

Por ti (desconhecida)…

Por ti (perdida)…

Ou eu… Perdido, no nascer,

no ser,

perdi-me e esqueci-me,

onde te ver.

Por isso escrevo,

rasgos da alma em traços de sangue,

que me sugam um estado terreno,

cada vez menos sereno.

Menos vivo.

Por isso, num sopro final,

escrevo, e clamo,

pela tal.

(a Desconhecida)

Aquela que não vi,

nem senti,

mas que sei, desde que aqui despertei,

que sempre,

sempre,

a AMEI.

publicado por flipe às 21:39
link | comentar | ver comentários (5) | favorito (1)

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 51 seguidores

.Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Para ti (Desconhecida)

. O dia declina

. Sem ti

. Era tudo

. Pétalas

. Cadeirinha

. Deriva

. Um jardim

. Nada é quando pode ser

. Tudo em mim, cede por ti.

. Ilusão

. É assim...

. Filhos do amanhã

. E tudo voltou…

. Voa!

. Aquela que sussurra

. Morri, e não sei…

. Era assim...

. Canto

. Viagem perdida

. Sentir

. Umbigos

. Até ao fim

. Este livro

. Partida

Em destaque no SAPO Blogs
pub